Publicado por: José Irineu Nenevê | 28/08/2015

Ano VI – 28/ago

“Eu me amo porque se eu não me amar quem vai me amar?” (Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho, poeta, crítico literário e de arte, professor de literatura e tradutor brasileiro, 1886-1968)

Amar-se é permitir-se o amor. Permitir-se o amor é deixar-se amar pelo amor, pois só no amor é que amamos. Mas, amar-se nada tem a ver com egoísmo e, sim, com “amorcentrismo”. “Amorcentrismo” é o amor como centro de mim mesmo, me movendo em tudo e para tudo. E se me amo na força do amor, então, tudo o que sou é eco do amor. Significa que movido pelo amor tudo se torna um bem em mim e para mim. (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve). Bom trabalho!

Bom Dia!
(19 anos)

Anúncios

Responses

  1. Um belo dia! ☺

  2. Eu gostei mᥙito do pօst! Me interessa bastante esѕe tipo de post


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: