Publicado por: José Irineu Nenevê | 07/12/2018

Ano IX – 07/dez

 “Quem pergunta com má intenção não merece ouvir a verdade” (Aurélio Ambrósio, ou “Santo Ambrósio”, doutor da Igreja e Arcebispo de Milão, 340-397)

Pense antes de responder. O modo de formular uma pergunta demonstra a intenção do inquisidor. Fizeram isso muito com Jesus, elaboravam perguntas capciosas com o objetivo de acusá-lo por suas respostas. Como Jesus conhecia a intenção de seus corações, devolvia com outra pergunta ou contava alguma parábola, ou mesmo ficava em silêncio. A palavra deve ser dita de forma clara, com precisão e no tempo adequado para que seja eficaz. Sobre isso o Livro nos Provérbios (25, 11) nos ensina;  “Como maçãs de ouro em bandejas de prata, assim é a palavra dita ao seu tempo”. A má intenção está no coração das pessoas. Ela só entra quando abrimos a porta de nosso coração. Devemos tomar cuidado para que o nosso coração não se corrompa e endureça pela contaminação do “mundo”. Santo Ambrósio assim orava; “Senhor tome este coração de pedra e dá-me um coração de homem, um coração que te ame, um coração que se alegre em ti, que te imite e te compraza”. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Anúncios
Publicado por: José Irineu Nenevê | 06/12/2018

Ano IX – 06/dez

“Bote amor e sua vida será como uma casa construída na rocha” (Jorge Mario Bergoglio, “Papa Francisco”, jesuíta argentino, nasceu em 1936).

Edificar sobre a rocha é ter uma boa base. Jesus nos ensina: “quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha” (Mateus 7, 24). Em qualquer edificação sua sustentação está em uma boa base. Jesus afirma que suas palavras são esta base da fé em Deus. Disse isso porque muitos conheciam de cor versículos do antigo testamento, mas não praticavam, era como se construir uma casa sobre uma superfície instável como a areia que desmorona diante das instabilidades. O Papa Francisco acrescenta o amor para que a vida seja como uma casa sobre a rocha. Todos nós passamos por dificuldades de toda espécie, são momentos difíceis em que muitas vezes a escuridão não permite ver o caminho, mas sentimos a segurança nas palavras de Jesus. O mundo oferece muitas facilidades para nos desviar do caminho do bem, mas se nos perguntarmos, o que Jesus faria se estivesse aqui no meu lugar? Esta resposta nos mostra como devemos agir. Aprenda a amar em seu sentido mais profundo e transforme sua vida. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Publicado por: José Irineu Nenevê | 05/12/2018

Ano IX – 05/dez

“Ó meu Senhor e meu Salvador, nos teus braços estou seguro. Se me guardares, nada terei a temer; se, porém, me abandonares, nada eu poderei esperar. Não sei o que vai acontecer-me desde agora até a hora da minha morte, não sei o que será o futuro, mas confio-me a Ti. Repouso totalmente em Ti, porque Tu sabes o que é bom para mim, e eu não sei” (Beato John Henry Newman, teólogo, sacerdote anglicano inglês, 1801-1890).

Em nosso mundo eletrônico moderno, criamos muitos mecanismos de orientação. Temos em mãos equipamentos de comunicações que fornecem até a nossa localização precisa para evitar a desorientação, mostrando o caminho certo a seguir. Mas além a orientação geográfica, existe a nossa orientação espiritual que é fundamental e que nenhum equipamento pode nos mostrar apenas a nossa fé. Ela nos aponta um Deus misericordioso. “Diante de vós o mundo inteiro é como um grão de poeira, que faz pender a balança, ou como uma gota de orvalho, que desce de madrugada sobre a terra. Tendes compaixão de todos, porque vós podeis tudo; e para que se arrependam, fechais os olhos aos pecados dos homens” (Livro da Sabedoria de Salomão 11, 22-23). Mas para isso temos que escolher, ouvir a voz de Deus ou seguir o clamor das mídias que tenta nos convencer que Deus nem existe. Nossa escolha é livre. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Publicado por: José Irineu Nenevê | 04/12/2018

Ano IX – 04/dez

 “O homem que não é movido pela harmonia de sons harmoniosos é capaz de todo tipo de traições, estratagemas e depravações” (William Shakespeare, escritor britânico, 1564-1616).

Os elementos da natureza são harmônicos. A palavra “harmonia” nos remete a uma coerência entre os elementos. Na música produz sons agradáveis aos ouvidos que eleva a alma, na literatura uma beleza no trato com as palavras que agrada ao leitor, na arte cria elementos que transcende a matéria e revela o oculto, no convívio social uma concordância na troca de ideias, que produz a paz, e assim por diante. Mas nem todos podem ou querem perceber isso. Esta sensibilidade está reservada a quem busca na vida uma coerência entre pensar e agir tendo em mente o bem, o amor e a paz. Quem ao contrário procura viver para tirar vantagem pessoal em tudo sem se importar com nada, prefere o que lhe é próprio de seu pensar e agir, ou seja, a desordem, a agressão, a destruição, etc. Assim, até o tipo de música que a pessoa gosta de ouvir revela muito de seu caráter. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Publicado por: José Irineu Nenevê | 03/12/2018

Ano IX – 03/dez

“É o amor que dá o valor a todas as nossas obras” (São Francisco de Xavier, missionário jesuíta espanhol, 1506-1552).

Todo o ser vivo encontra no amor sua força. Quem gosta de preparar alimentos certamente descobriu que há uma grande diferença na preparação de um prato quando há amor envolvido nesta atividade. Quem lida com animais percebe que estes são sensíveis ao amor com que são tratados. Assim acontece em todas as obras. Na música, no artesanato, até em uma simples atividade doméstica o amor faz uma grande diferença. O amor vem de Deus e a Ele deve retornar pelo amor com que fazemos todas as coisas. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Publicado por: José Irineu Nenevê | 30/11/2018

Ano IX – 30/nov

André disse a seu irmão Pedro: “Achamos o Messias” (João 1, 41).

O nome André quer dizer “corajoso”. Fazia algum tempo que André procurava o Messias. Enquanto Pedro, seu irmão, era impulsivo, André era comedido, pensava antes de agir. Em sua busca, ele encontrou João Batista e tornou-se seu discípulo. Mais certa ocasião João Batista vê Jesus passar e diz a seus discípulos: “Eis o Cordeiro de Deus” (João 1, 36), e André passa a segui-lo, era assim naquela época, seguir o Mestre. Mas André volta até Pedro e convida-o para conhecer Jesus. “E, olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro)” (João 1, 42). André foi atrás do Messias até encontrá-lo e divide com seu irmão sua descoberta. André nos ensina e ir buscar o que procuramos, longe de ficar esperando as coisas acontecerem, devemos ir atrás, buscar, escavar, pensar até encontrar, e depois dividir com os irmãos, para que também eles encontrem a verdade. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Publicado por: José Irineu Nenevê | 29/11/2018

Ano IX – 29/nov

 “A ganância e a paz se excluem mutuamente” (Erich Fromm, psicólogo e filósofo alemão, 1900-1980).

Quem aprendeu a dividir sabe multiplicar. Ganância é um sentimento humano que se caracteriza pelo “apetite” exagerado em obter lucro a qualquer custo, mesmo que seja ilícito. Em muitos casos chega a ser doentio. Desta situação nasce outro sentimento, o medo de perder, então perde a paz. Desconfia de tudo e de todos e se torna escravo do ter e esquece-se de viver. Para estes vale o ditado: “Nascemos sem trazer nada, morremos sem levar nada… E, no meio do intervalo entre a vida e a morte, brigamos por aquilo que não trouxemos e não levaremos”. Se soubessem como é bom compartilhar do que temos, pois um sorriso de gratidão vale mais que muitas riquezas estocadas. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Publicado por: José Irineu Nenevê | 28/11/2018

Ano IX – 28/nov

“Ser profundamente amado por alguém nos dá força; amar alguém profundamente nos dá coragem” (Lao-Tze, filósofo e escritor da Antiga China, 604-517 a.C.)

O amor deve ser vivido para ser compreendido. E quando somos amados pelo criador misericordioso do amor, ou seja, o próprio Deus? Sentimos-nos nas nuvens, onde tudo é possível. Corresponder a este amor infinito é o nosso desafio. À medida que caminhamos em direção ao amor, mais ele vai se revelando. Nossa mente é incapaz de entender o amor em sua plenitude, pois ultrapassa todo o conhecimento. O amor nos eleva e abre o nosso coração. Ame e seja amado. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Publicado por: José Irineu Nenevê | 27/11/2018

Ano IX – 27/nov

“Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós, que recorremos a Vós” (Santa Catarina Labouré, religiosa francesa, 1808-1876).

No caminho do bem há muitos obstáculos. Quem for a Paris, na rua Du Bac, 140, encontrará um caixão de vidro com o corpo incorrupto de Santa Catarina Labouré. Ela foi responsável pela divulgação da devoção à Medalha Milagrosa de Nossa Senhora das Graças, devido a uma visão que teve quando ainda era noviça. Esta devoção é responsável por muitas conversões e muitos milagres ao redor de todo o mundo até nos dias de hoje. Quem busca viver o caminho da santidade sempre encontrará muitos entraves, isto também aconteceu com Catarina, mas com amor conseguiu vencer. Pesquise e conheça toda esta devoção e obtenha seus inúmeros benefícios. Fazer o bem, amar e ser caridoso são decisões pessoais de quem ama a Jesus. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Publicado por: José Irineu Nenevê | 26/11/2018

Ano IX – 26/nov

“Essa pobre viúva ofertou mais do que todos” (Lucas 21,3).

Oferta é “presente” do coração. Quando olhamos a origem da palavra “presente”, encontramos; “o que está à vista”, ou seja; “está aí”. No decorrer do tempo, e devido à impossibilidade de estar presente por qualquer motivo, passou-se a se fazer presente com uma dádiva, um mimo, uma oferta etc. O presente passou a representar a pessoa ausente. No caso da viúva do texto, ela presenteou para quem representava tudo para ela (Deus), com tudo o que ela tinha (algumas moedas). Jesus elogia seu gesto porque veio do coração. Hoje em dia o “presente” virou quase que uma obrigação em festividades como aniversários, natal, graduações etc. Perdeu-se o sentido de ser a “própria pessoa” em forma de “presente”. Que tal se nos “amigos secretos” ou em outras ocasiões, em vez de dar “porta retratos” ou “canecas” etc., déssemos um pouco de nós mesmos? Tirar do coração um “texto” sobre a pessoa e “dizer” isso a ela (só vale coisa boa). Estaríamos dando um pouco de nós mesmos em forma de “palavras”. Sejamos presentes na vida das pessoas. Bom dia e Bom trabalho! (Reflexão feita por Jose Irineu Neneve).

Bom Dia!
(22 anos)

 

Older Posts »

Categorias